Primeiro projeto de reciclagem de máscaras descartáveis em grande escala visando a recuperar uma tonelada de material por mês


 

A Softys, empresa de produtos de saúde e higiene, em colaboração com a Universidad de Concepción e a prefeitura local desenvolveram um programa de reciclagem aberto à comunidade.

 

Um ano após o início da fabricação local de máscaras descartáveis, na luta contra a pandemia da COVID-19, a subsidiária do grupo CMPC busca desenvolver um modelo de economia circular que possa ser replicado em outras regiões.

 

Concepción, 14 de outubro de 2021. – Visando à reutilização de máscaras descartáveis, o programa de reciclagem foi lançado pela empresa de higiene e cuidado pessoal, Softys, em conjunto com a Unidade de Desenvolvimento Tecnológico (UDT) da Universidad de Concepción e a prefeitura local. O evento aconteceu na escola Colegio Bicentenario República de Brasil, localizado na cidade.

 

A atividade contou com a presença da funcionária da Secretaria Regional Ministerial da Ciência, Tecnologia, Conhecimento e Inovação da Macrozona Centro-Sul, Paulina Assmann, o prefeito de Concepción, Álvaro Ortiz, que juntamente com o reitor da Universidad de Concepción, Carlos Saavedra, e o gerente geral da Softys Chile, Sebastián Reyes, deram o chute inicial a um programa que em quatro meses visa à recuperação de uma tonelada de máscaras por mês, o equivalente a 200 mil unidades. No total são quatro toneladas abrangidas no plano piloto igual a 800 mil máscaras, as quais são consideradas um insumo de cuidado pessoal fundamental diante da pandemia.

 

Para atingir este objetivo, as três entidades que fazem parte do acordo lançaram um programa que levou em consideração a instalação de 10 postos de coleta diferentes em Concepción, entre eles: A Prefeitura de Concepción, o edifício do Governo Regional, a sede da Universidad de Concepción, o Colegio Marina de Chile, o Liceo Enrique Molina, o Colegio República de Brasil, o Colegio Diego Portales, o Colegio Alianza Francesa, o Colegio Almondale e o Colegio British Royal.

 

Após as máscaras serem coletadas, elas serão deslocadas, higienizadas e posteriormente recicladas por meio da produção de um pellet de polipropileno — mesmo material das máscaras cirúrgicas—, que será utilizado para a fabricação de outros produtos plásticos, como bandejas ou vasos. Assim, o plano é baseado essencialmente no projeto de inovação da Unidade de Desenvolvimento Tecnológico (UDT), na Universidad de Concepción.

 

No evento participou a funcionária da Secretaria Regional Ministerial da Ciência, Tecnologia, Conhecimento e Inovação da Macrozona Centro-Sul, Paulina Assmann, que afirmou “estarmos testemunhando como a ciência e a tecnologia vêm contribuindo para melhorar a qualidade de vida das pessoas. [Contudo] Um grande problema é a reciclagem, uma vez que essa pandemia nos obrigou a reutilizar o plástico das máscaras. Enxergamos que as universidades e, nomeadamente a UDT, têm a capacidade regional em ciência e tecnologia para resolver eficazmente as dificuldades”.

 

Na mesma linha, o prefeito de Concepción, Álvaro Ortiz, reiterou: “este é um chamado a estarmos conscientes da proteção entregue pelas máscaras, mas uma vez que não são mais utilizadas podem causar grandes impactos ambientais. Portanto, o objetivo é levar este tipo de produtos aos postos de coleta disponíveis”.

 

Por sua vez, ele garantiu que este programa faz parte de uma mudança cultural face à pandemia que vivemos e precisamos mais do que nunca da união, uma vez que a melhor forma de cuidar do meio ambiente é aprendendo dos acontecimentos vivenciados até agora.

 

É preciso ressaltar que a Softys —subsidiária do grupo CMPC e detentora de marcas reconhecidas como Elite, Babysec e Confort— irá financiar este projeto, tornando-se a primeira empresa de consumo massivo a implementar um programa de reciclagem de máscaras descartáveis no Chile, e focará em criar um plano escalável para outras regiões do país. Além disto, para encerrar o processo baseado na economia circular, a empresa está em conversações com sua rede de fornecedores para a reutilização do pellet das máscaras e a fabricação de novos produtos.

 

“Na Softys, a inovação é o motor que impulsiona o nosso propósito de entregar o melhor cuidado no dia a dia e em cada fase da vida das pessoas. Em meio à crise da COVID-19, temos implementado a produção local de máscaras em cinco países da América Latina, incluindo o Chile, em tempo recorde. Hoje, voltamos a inovar, em busca de soluções que melhorem a vida das pessoas, sendo uma empresa pioneira na reciclagem de máscaras”, afirmou Sebastián Reyes, gerente geral da Softys Chile.

 

Carlos Saavedra, reitor da Universidad de Concepción indicou que “hoje apresentamos um programa que ressalta no quesito de colaboração pública, privada e acadêmica. Notadamente, esta colaboração tripartida permite-nos construir soluções focadas na economia circular, enfrentando mais um dos impactos negativos desta pandemia. Contudo, graças ao trabalho feito podemos combater o problema da melhor maneira possível, garantindo soluções para o cuidado do meio ambiente”.